fbpx
(66) 3423 1277 - (66) 99684-1054      ccdlroo@cdlroo.org.br

Notícias

BALANÇO: Vendas de Natal crescem de 2,5% a 4,4% em Rondonópolis; incremento no setor de eletrodomésticos chega a 10%

publicado em 30 de dezembro de 2020

No balanço parcial das vendas de Natal de 2020 em Rondonópolis, saldo positivo para o setor varejista. Um crescimento tímido –mas muito comemorado- com variação entre 2,5% a 4,4% na comparação com o mesmo período em 2019. A média foi apontada em uma pesquisa informal realizada nesta semana pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL). No setor de móveis e eletrodomésticos, maior destaque: incremento de 10%.

O comércio rondonopolitano acompanhou a projeção nacional de incremento nas vendas no período (2,5%), apesar deste 2020 com índices próximos aos dos anos de recessão 2015 e 2016. “O mais importante foi perceber que por aqui também se confirmaram as projeções nacionais. Pouco antes do Natal, tínhamos dados que nos mostravam que os consumidores, apesar da crise, iriam às compras. Isso realmente aconteceu e manteve o varejo local como um setor forte no nosso município”, analisa o vice-presidente da CDL de Rondonópolis, Tiago Martins.

Para Martins, crescendo pouco ou até mesmo empatando na comparação com 2019, o varejo rondonopolitano fechou o Natal fortalecido. “É preciso, antes de tudo, entender o atual contexto. Estamos vivendo um ano atípico, de adversidades que fizeram com que nossas empresas quase minguassem. Houve demissões, loja com portas fechadas e quedas de 30% a 50% no faturamento durante os meses mais acentuados da pandemia. Ainda assim chegamos até aqui, num patamar próximo a 2019, antes disso tudo. Este é momento de comemorarmos e agradecermos a Deus por cada superação”, diz.

Novos tempos, novos hábitos

Principal segmento do setor varejista de Rondonópolis no quesito vendas de Natal em 2020, Móveis e Eletrodomésticos surfou na onda dos novos tempos e da mudança do hábito de consumo dos consumidores que foram às ruas. Reflexo direto das restrições causadas pela pandemia do coronavírus.

Segundo lojistas ouvidos pela pesquisa informal, itens como televisão e ar-condicionado se mostraram imbatíveis ao gosto popular. “As pessoas estão mais em casa, trabalhando e se protegendo desta pandemia. Aí está o reflexo direto. Quem antes guardava dinheiro para repaginar o guarda-roupas, neste, focou nos chamados itens do dia a dia. Roupas e acessórios deram lugar ao conforto dentro de casa”, afirma Martins.